Clara



Quando pensei que ninguém mais iria aparecer, eis que numa tarde iluminada de verão, Clara surge intempestiva, carregando o sol em seu sorriso e o vento no rosto corado e irrequieto. Como um furacão, atravessou, sem pedir licença, a porta do meu coração e logo se deparou com Alice e Cora que, assustadas com tamanho furor, encolheram-se em um canto dando passagem àquele vendaval de sentimentos avassaladores. Clara exalava um odor contagiante por todos os poros e logo o meu corpo inteiro foi tomado por uma tal euforia, um não sei quê de felicidade que jamais experimentara e também não conseguia explicar. Foi tanta euforia, tanto desatino, que Cora logo se achegou para colocar um pouco de ordem naquele bagunça que já tomava proporções imensuráveis. Com seu jeitinho doce e calmo foi recolhendo os vestígios deixados pelo caminho (pequenos cacos) e os depositou em um cantinho especial onde o vento não pudesse bater novamente para espalhá-los. Clara continuou seu caminho espalhando as folhas - restos de histórias -, salpicando desejos - potes de fantasias esquecidas -, esticando os fios das malhas e redes - astúcias entrelaçadas do tempo. Cora ia remendando aqui, costurando lá e escondendo cada pedaço (caco) na sombra do vento rodeado de melodias e refrões. Clara ainda me acompanha ao largo, contrapondo sonho, realidade e muita euforia.

                                                          Ana Lopes





Ana Maria de Souza Lopes

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Instagram